Não morrerá sem poetas a língua em que cantaste: encontros com Camões na épica portuguesa dos séculos XVII e XVIII

Contenido principal del artículo

Gil Clemente Teixeira

Resumen

Dos séculos XVII e XVIII, herdamos um mar imenso de poemas épicos de autores portugueses, em tempos de febre camoniana. Em português, em latim ou em castelhano, muitos foram os ensaios do género literário mais considerado à luz da poética clássica. Hernâni Cidade, Fidelino de Figueiredo e, sobretudo, Cabral do Nascimento na obra Poemas Narrativos Portugueses (1949) oferecem-nos visões panorâmicas desta produção. Apesar de ser normalmente entendido como um “mar morto de bibliotecas inúteis” (expressão de um dia certamente mais acre do nosso Camilo Castelo Branco), nele navegaremos, auxiliados pelos instrumentos disponíveis, embora não abundantes, e tentaremos encontrar Camões em textos como O Phaenix da Lusitânia (1649) de Manuel Tomás, Castreidos (1739) de Tomás Caetano de Bem e A Conquista...

Detalles del artículo

Cómo citar
Teixeira, G. C. (2022). Não morrerá sem poetas a língua em que cantaste: encontros com Camões na épica portuguesa dos séculos XVII e XVIII. Limite. Revista De Estudios Portugueses Y De La Lusofonia, 15, 147-165. Recuperado a partir de https://publicaciones.unex.es/index.php/limite/article/view/1723
Sección
Varia

Citas

Aguiar e Silva, Vítor Manuel (2008): A lira dourada e a tuba canora: novos ensaios camonianos, Lisboa, Cotovia.
Almeida, Isabel (2013): «"Se nenhum amor pode ser perdido". Sophia e Camões», Sophia de Mello Breyner Andresen, Actas do Colóquio Internacional, Porto, Porto Editora, pp. 252-262. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/32947/1/Se%20nenhum%20amor%20pode%20ser%20perdido.pdf (último acesso em 10/11/2021)
Almeida, Isabel (2015): “Edições dos séculos XVII e XVIII”, A Biblioteca Camoniana de D. Manuel II: Camões nos prelos de Portugal e da Europa (1563-2000), coord. José Augusto Cardoso Bernardes, Coimbra, Imprensa da Universidade/Fundação da Casa de Bragança, pp. 23-39. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/32957 (último acesso em 10/11/2021)
Alves, Hélio J. S. (2001): “Os Épicos Maiores: para uma nova história da poesia portuguesa”, in Isabel Allegro de Magalhães, História e Antologia da Literatura Portuguesa. Século XVI (volume II, tomo II). Edição fac-similada em 2007, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 83-94.
Branco, Camilo Castelo (1986): Curso de Literatura Portuguesa, prefácio de Viale Moutinho, 2. ed., Lisboa, Labirinto.
Caetano de Bem, Tomás (1739): Illustrissimo ac praeclarissimo domino Nonio Alvares Pereira de Mello, Castreidos libros V, Lisboa, Ducis Cadavalensis Typograp. Disponível em: https://archive.org/details/illustrissimoacp00bemtuoft (último acesso em 10/11/2021)
Camões, Luís de (2005): “Comédia de Filodemo”, Teatro Completo, edição de Vanda Anastácio, Lisboa, Caixotim, pp. 77-176.
Camões, Luís de (2017): Obras Completas de Luiz Vaz de Camões. I Volume Épica e Cartas, organização, introdução e notas de Maria Vitalina Leal de Matos, Lisboa, E-Primatur, 2017.
Carvalho, José Adriano de Freitas (1981): “Frei Martín Sarmiento, O.S.B. e Os Lusíadas”, Sep. Arq. Centro Cultural Português, 16, Paris, Fund. Calouste Gulbenkian - Centro Cult. Port., pp. 345-358.
Ceia, Sara Bravo (2010): Os Académicos Teatinos no tempo de D. João V: Construir Saberes enunciando Poder, dissertação de mestrado em História Moderna e dos Descobrimentos, apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Disponível em: http://hdl.handle.net/10362/5345 (último acesso em 10/11/2021)
Cerqueira, Luís (2013-2014): “Para onde foi o género épico?”, Dedalus. Revista Portuguesa de Literatura Comparada, nº 17-18, volume I, APLC, Edições Cosmos, pp. 447-458.
Cidade, Hernâni (1948): A literatura autonomista sob os Filipes, Lisboa, Sá da Costa.
_______________(1984): Lições de Cultura e Literatura Portuguesas (séculos XV, XVI, XVII), vol. I, 7ª ed., Coimbra, Coimbra Editora.
Duarte, Marta Marecos (2020): Vozes consoantes, Vozes dissonantes. Pina e Melo e a cultura literária do século XVIII: sujeito autoral, polémica e poéticas, Coimbra, Disponível em: https://eg.uc.pt/handle/10316/95454 (último acesso em 10/11/2021)
Ferreira, Francisco Leitão (2019): Primeira arte de retórica, coordenação de Belmiro Fernandes Pereira, Obras Pioneiras da Cultura Portuguesa, dir. José Eduardo Franco, Carlos Fiolhais, [S.l.], Círculo de Leitores.
Ferreira, Vergílio (1985): “Camões e o negativo”, Camoniana Californiana: commemorating the quadricentennial of the death of Luís Vaz de Camões, Santa Barbara, Jorge de Sena Centre for Portuguese Studies, University of California e Lisboa, ICLP, Bandanna Books, pp. 196-211.
Ferro, Manuel (2004): A recepção de Torquato Tasso na épica portuguesa do Barroco e Neoclassicismo, Coimbra, [Edição do Autor].
______________(2011): “A Exaltação da Fundação do Império Português do Oriente na Conquista de Goa (1759), de Francisco de Pina e Melo.”, Goa. Portugal e o Oriente: História e Memória, Coimbra, Palimage / CHSC, pp. 35-65.
Figueiredo, Fidelino de (1993): A Épica Portuguesa no século XVI, ed. fac-similada com apresentação de António Soares Amora, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Freire, Francisco José (2019): Primeira Arte Poética. Coord. Micaela Ramon. Versão dos textos latinos José Carlos Lopes de Miranda, João Diogo Loureiro, Ricardo Ventura. Obras pioneiras da cultura portuguesa, dir. José Eduardo Franco, Carlos Fiolhais, [S.l.], Círculo de Leitores.
Galhegos, Manuel de (2000): “Discurso Poético de Manuel de Galhegos”, Ulisseia ou Lisboa Edificada, II volume, texto estabelecido e comentado J. A. Segurado e Campos, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 445-463.
Garrett, Almeida (1984): Bosquejo da história da poesia e língua portuguesa, Obras Completas de Almeida Garrett, [Lisboa], Círculo de Leitores.
Gomes, João Pereira (1974): “Camões nas Escolas Jesuíticas do século XVIII.”, separata da revista Bracara Augusta vol. XXVIII, nº 65-66, (77-78), Braga: s.n., pp. 160-178.
Jauss, Hans Robert (1993): A Literatura como Provocação (História da Literatura como Provocação Literária), pref. e trad. Teresa Cruz, S/l, Vega.
Júdice, Nuno (2019): Por cantos nunca dantes navegados, Lisboa, Sibila.
Lobo, Francisco Rodrigues (1991): Corte na Aldeia, introdução, notas e fixação do texto de José Adriano de Freitas Carvalho, Lisboa, Editorial Presença.
Lourenço, Eduardo (2019): Estudos sobre Camões. Volume VI das Obras Completas de Eduardo Lourenço, coordenação, introdução e notas de José Augusto Cardoso Bernardes, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
Macedo, José Agostinho de (1841): Advertência à Viagem Extática ao Templo da Sabedoria, poema em quatro cantos, Braga, Imp. por J. H. d'O. M. Disponível em: https://archive.org/details/1841viagemextati00mace/page/n4 (último acesso em 10/11/2021)
Mascarenhas, Brás Garcia de (1996): Viriato trágico em poema heroico, reed. fac-similada com apresentação de José V. de Pina Martins, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
Melo, Francisco Manuel de (1998-1999): “Hospital das Letras”, Apólogos Dialogais, volume II, introdução, fixação de texto e notas de Pedro Serra, Braga, Angelus Novus, pp. 39-140.
Meneses, Francisco Xavier de (1741): Henriqueida, poema heroico com advertências preliminares das regras da poesia épica, argumentos e notas, Lisboa Occidental, na Officina de Antonio Isidoro da Fonseca. Disponível em: https://archive.org/details/henriqueidapoema00eric (último acesso em 10/11/2021)
Monteiro, Ofélia Paiva e Urbano, Carlota Miranda (2019): Francisco Xavier De Meneses, IV Conde da Ericeira: O Raiar das "Luzes" entre Fastos Barrocos, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra. Disponível em: https://ucdigitalis.uc.pt/pombalina/item/55077
(último acesso em 10/11/2021)
Nascimento, Cabral do (1940): “A Fundação e a Restauração na poesia épica”, Revista dos Centenários, nº 14. Comissão Executiva dos Centenários, Lisboa, Secretariado da Propaganda Nacional, pp. 1-5. Disponível em: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/Periodicos/RevistadosCentenarios/RevistadosCentenarios.htm (último acesso em 10/11/2021)
Nascimento, Cabral do (1949): Poemas narrativos portugueses: comentários, enumeração e excertos, Lisboa, Minerva.
Peixoto, Afrânio e Pedro A. Pinto (1924): Dicionário d’Os Lusíadas de Luís de Camões, Rio de Janeiro, Livraria Francisco Alves.
Pina e Melo, Francisco de (1752): Balança intellectual em que se pezava o merecimento do Verdadeiro Methodo de Estudar... Lisboa, na Officina de Manoel da Silva.
Pina e Melo, Francisco de (1756): Triunfo da Religião, poema épico-polémico, Coimbra, na Off. de Antonio Simões Ferreyra. Disponível em: https://babel.hathitrust.org/cgi/pt?id=mdp.39015062930626;view=1up;seq=5 (último acesso em 10/11/2021)
Pina e Melo, Francisco de (1759): A Conquista de Goa por Afonso de Albuquerque, Coimbra, no Real Collegio das Artes da Comp. de Jesus. Disponível em: https://archive.org/details/conquistadegoapo00mell (último acesso em 10/11/2021)
Pina e Melo, Francisco de (2005): Arte Poética de Francisco de Pina e Melo, estudo introdutório, edição e notas de António Manuel Esteves Joaquim, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Pinilla, José Antonio Sabio (1990): La crítica a "Os Lusíadas" en Portugal (1572-1987), Granada, Departamentos de Filologias Romanica, Italiana, Gallego-Portuguesa y Catalana.
Pires, Maria Lucília Gonçalves (1982): A crítica camoniana no século XVII, [Lisboa], Instituto de Cultura e Língua Portuguesa. Disponível em: http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes.html (último acesso em 10/11/2021)
Prado Coelho, Jacinto do (1959): “A musa negra de Pina e Melo e as origens do pré-romantismo português”, separata das Memórias (Classe de Letras, tomo VII), Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa.
Quevedo, Vasco Mouzinho de (2013): Afonso africano: poema heróico da presa de Arzila e Tânger, apresentação de José António Segurado e Campos, estudo histórico-literário, edição crítica e dicionário por Manuel dos Santos Rodrigues, Setúbal, Câmara Municipal.
Ramalho, Américo da Costa (1980): Estudos Camonianos, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica.
Ramon, Micaela (2002): “Reflexos d´Os Lusíadas na epopeia barroca portuguesa”, Actes du XVème Congrès International de la Société Rencesvals – L’épopée médiévale, 2 vol, Poitiers, pp. 475-479. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/61061 (último acesso em 10/11/2021)
Resende, André de (1991): Epitome rerum gestarum in india anno mdxxx [texto policopiado]: uma intervenção na Europa, texto, trad., anot. e coment. por António Jorge da Silva, Coimbra, [s.n.].
Rodrigues, Manuel dos Santos (2010): “Entre Camões e Tasso: os caminhos da poesia épica portuguesa seiscentista”, Géneros literários. Continuidades e rupturas da Antiguidade aos nossos dias, coord. Inês de Ornellas e Castro e Vanda Anastácio, Lisboa, CEC, FLUL, pp. 59-72.
Santos, Cidália Alves dos (2017): La influencia de Os Lusíadas de Camões en la épica en castellano, 1578-1627, Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra.
Silva, José Maria da Costa e (1854): “Phenix da Lusitania”, capítulo V, livro XIV, Ensaio Biographico-Crítico sobre os Melhores Poetas Portugueses, tomo VII, Lisboa, Imprensa Silviana, pp. 84-96.
Soares, Martinho (2020): “Quem foi Manuel Tomás, autor da Insulana? Um lapsus linguae e outros equívocos”, O Mundo Clássico e a Universalidade dos seus valores: Homenagem a Nair de Nazaré Castro Soares. Volume II. António Rebelo e Margarida Miranda (coords.), Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, pp. 179-185. Disponível em: http://monographs.uc.pt/iuc/catalog/download/162/325/601-1?inline=1 (último acesso em 10/11/2021)
Sousa, Sérgio Paulo Guimarães de (1998): “Sobre a recepção de Os Lusíadas em França até ao século XVIII”, Boletim do Centro de Estudos Portugueses – v. 18, n. 23, Universidade Federal de Minas Gerais, pp. 43-82. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cesp/article/view/8890 (último acesso em 10/11/2021)
Teixeira, Gil Clemente (2018): Entre textos: da epopeia Vincentius Leuita et Martyr de André de Resende a Os Lusíadas de Camões, dissertação de mestrado em Estudos Literários, Culturais e Interartes, orientada pelo Professor Doutor Belmiro Fernandes Pereira, FLUP. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/111672 (último acesso em 10/11/2021)
Tomás, Manuel (1649): O Phaenix da Lusitânia ou aclamação do Sereníssimo Rey de Portugal Dom João IV, Ruam, Lourenço Maurry. Disponível em: https://archive.org/details/ophaenixdalusita00thom (último acesso em 10/11/2021)
Urbano, Carlota Miranda (2004): Santos e heróis: a épica hagiográfica novilatina e o poema Paciecidos (1640) de Bartolomeu Pereira SJ, Coimbra, [s.n.].
Urbano, Carlota Miranda (2005): “O Ignatiados de António Figueira Durão (1635)”, Gramática e Humanismo, Actas do Colóquio de Homenagem a Amadeu Torres, vol. II, org. Miguel Gonçalves et alii, Braga, Altheia, pp. 225-246.
Verney, Luís António (1991): Verdadeiro Método de Estudar (cartas sobre Retórica e Poética), introdução e notas de Maria Lucília Gonçalves Pires, Lisboa, Editorial Presença.