Reminiscências virgilianas na obra do humanista Inácio de Morais

Contenido principal del artículo

Aires Pereira Couto

Resumen

Seguindo um dos preceitos da criação poética no Renascimento, era habitual a imitação ou transcrição de expressões, frases, versos, ou o recurso a exempla clássicos greco-latinos.
No conjunto das fontes da obra do poeta e humanista português Inácio de Morais, destaca-se o poeta latino Virgílio, cujas reminiscências se encontram profusamente disseminadas ao longo da obra de Inácio de Morais. As marcas e ecos das leituras da obra virgiliana ressoavam no espírito do humanista português, que delas transcreveu ou adaptou versos inteiros, hemistíquios, ou simples expressões, ou nelas se inspirou para ilustrar acontecimentos, através de oportunos paralelismos ou comparações entre figuras ou factos.
Este estudo revela os ecos do mantuano na obra de Inácio de Morais e mostra como este soube inspirar-se, com notável mestria e sensibilidade, nos tons virgilianos para dar ainda maior brilho e majestade às suas inspiradas obras.


https://doi.org/10.17398/2660-7301.43.137

Detalles del artículo

Cómo citar
Couto, A. P. (2020). Reminiscências virgilianas na obra do humanista Inácio de Morais. Anuario De Estudios Filológicos, 43, 137-156. Recuperado a partir de https://publicaciones.unex.es/index.php/AEF/article/view/325
Sección
Artículos

Citas

BIGALLI, D. (1985): Immagini del Principe. Ricerche su politica e umanesimo nel Portogallo e nella Spagna del Cinquecento. Milano, Franco Angeli.
BUCK, A. (1980): L’eredità clássica nelle letterature neolatine del Rinascimento. Brescia, Paideia.
CASTRO, A.P. (2008): Retórica e Teorização Literária em Portugal. Do Humanismo ao Neoclassicismo. Lisboa, INCM.
COUTO, A.P. (2002): «André de Resende e Inácio de Morais na questão dos causíficos». Em: Cataldo & André de Resende. Actas do Congresso Internacional do Humanismo Português. Lisboa, Centro de Estudos Clássicos, págs. 79-91.
––– (2003): «O drama da morte do príncipe D. João na poesia de Inácio de Morais». Em: Damião de Góis na Europa do Renascimento. Braga, UCP, págs. 681-701.
––– (2004): Inácio de Morais. Percurso biográfico e literário de um Humanista de Quinhentos. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian-Fundação para a Ciência
e Tecnologia.
FERREIRA, A. (2000): Poemas Lusitanos. T.F. Earle (ed.). Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
GALÁN SÁNCHEZ, P.J. (2007): «La poética de la imitación en la poesía neolatina del Renacimiento: distinción entre fuentes, clichés y paralelos». Minerva, 20, págs. 139-161.
GARCÍA GALIANO, A. (1992): La imitación poética en el Renacimiento, Kassel, Reichenberg.
MACHADO, B. (1965-1967): Bibliotheca Lusitana, Coimbra, Atlântida Editora, vol. II, págs. 544-545.
MARTÍN ACERA, F. (1987): «La imitatio como principio essencial en la creación poética del Renacimiento». Em Morocho Gayo, G. (coord.): Estudios de drama y retórica en Grecia y Roma. Léon, Universidade de Léon, págs. 323-338.
MARTÍN JIMÉNEZ, A. (2015): «La imitación y el plagio en el Clasicismo y los conceptos contemporáneos de intertextualidad e hipertextualidad». Dialogía, 9, págs. 58-100.
MCLAUGHLIN, M.L. (2001): Literary imitation in the Italian Renaissance. The theory and practice of literary imitation in Italy from Dante to Bembo. Oxford, Clarendon Press.
MELO, A.M.M. (2011): «Da Antiguidade ao Renascimento: os exempla e a promoção de um ideal de perfeição humana». Anuario de Estudios Filológicos, 34, págs. 125-137.
MIRÓ MARTÍ, O. (2017): «Introducción». Em Bembo, P. e Il Pico della Mirandola, G.F.: De imitatione. Sobre la imitación. New York, IDEA.
PEREIRA, V.S. (2000a): Aegidius Scallabitanus. Um diálogo sobre Fr. Gil de Santarém. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian-Fundação para a Ciência e Tecnologia.
––– (2000b): «A veia retórica de Inácio de Morais ou os tons ovidianos de um infelix uates». Em: A retórica greco-latina e a sua perenidade. Coimbra, Fundação Eng. António de Almeida, vol. II, págs. 753-769.
PINHO, S.T. (1987): Lopo Serrão e o seu Poema da Velhice. Coimbra, INIC.
RAMALHO, A.C. (1985): Latim Renascentista em Portugal (antologia). Coimbra, INIC.
RUIZ PÉREZ, P. (2015): «Prácticas y ofícios de narrar en el siglo XVI: historia y teoria». Studia aurea, 9, págs. 9-48.
SALTARELLI, T. (2009): «Imitação, emulação, modelos e glosas: o paradigma da mímesis na literatura dos séculos XVI, XVII e XVIII». Revista Aletria, 19, págs. 251-264.
SANTOS, R.M.F.N. (2016): «Nada se perde, tudo se transforma: a imitação dos modelos como princípio de criação artístico-literária. 2. A imitação no Renascimento italiano». Revista Investigações, 29.1, págs. 1-38.
SOARES, N.N.C. (1993): «A literatura de sentenças no humanismo português: res et uerba». Em: Humanismo Português na época dos descobrimentos. Coimbra, IEC-CECH, págs. 377-410.
––– (2018): «Mitos, imagens e motivos clássicos na poesia trágica renascentista em Portugal». Em Soares, N.N.C.: Mostras de sentido no fluir do tempo. Estudos de Humanismo e Renascimento. Coimbra, Universidade de Coimbra, págs. 141-159.
SOARES, N.N.C. e TEIXEIRA, C. (coords.) (2017): Legado Clássico no Renascimento e sua receção: contributos para a renovação do espaço cultural europeu. Coimbra-São Paulo, Imprensa da Universidade de Coimbra-Annablume.
TEIVE, D. (1999): Tragédia do Príncipe João. N.N.C. Soares (ed.). Coimbra, FCGFCT.
VIRGÍLIO (1977-1980): Énéide (3 vols.). J. Perret (ed). Paris, Les Belles Lettres.
––– (1982): Géorgiques. E. de Saint-Denis (ed.). Paris, Les Belles Lettres.
––– (1983): Bucoliques. E. de Saint-Denis (ed.). Paris, Les Belles Lettres.